terça-feira, 3 de maio de 2016

Menina que teve o olho perfurado por garfo recebe transplante: 'Tive medo'

Telão mostra detalhes do olho da jovem durante a cirurgia (Foto: Alexandre Xavier da Costa/Arquivo Pessoal)

Uma adolescente que teve o olho perfurado por um garfo de churrasco foi a primeira pessoa a passar por um transplante de córnea em Guarujá, no litoral de São Paulo. A cirurgia, que teve que ser feita às pressas, foi um sucesso. O procedimento proporcionou a adolescente a chance de enxergar novamente após o acidente doméstico. Além disso, renovou a esperança de quem precisa fazer um transplante de córnea na Baixada Santista.

A estudante Kauany Vitoria Lins Lima, de 13 anos, brincava com um amigo e a irmã, de oito anos, em casa, em Vicente de Carvalho, quando o acidente aconteceu. “A minha irmã foi na cozinha e pegou o garfo de churrasco. A gente estava correndo atrás do meu amigo. Ela virou sem querer e o garfo pegou no meu olho”, lembra a adolescente.

Após o acidente, que aconteceu na noite de uma sexta-feira, a mãe dela, Rute Maria Lins Vu, levou a menina ao PS de Vicente de Carvalho. Segundo Rute, Kauany foi atendida por um médico clínico geral já que não havia oftalmologista. “Ela estava com muita dor, tomou remédio na veia e voltou para casa. Furou o olho, mas não sangrou”, conta Rute.
Na segunda-feira, a jovem foi para o Hospital Santo Amaro, onde foi encaminhada  para o centro cirúrgico. “Ela estava com o olho perfurado e a gente não conseguia fechar. Demos pontos para tentar recuperar a estrutura do olho, mas o olho ainda ficou aberto”, explica Alexandre Xavier da Costa, oftalmologista especialista em córnea do Hospital Santo Amaro.
Após a cirurgia, a família foi informada que Kauany precisaria passar por uma outra intervenção, de catarata, e um transplante de córnea. A menina recebeu alta médica e foi para casa com curativos para aguardar o transplante. Kauany foi internada no dia 11 de março e passou pela operação no dia seguinte.
A cirurgia foi feita pelo SUS e realizada com sucesso. “Por ser uma cirurgia de urgência, com um trauma, foi uma operação difícil. Não tinha só perfurado a córnea, mas o cristalino também. Foi um transplante de córnea e uma cirurgia de catarata, uma cirurgia dupla, em uma menina de 13 anos. Um caso super grave”, explica.
Segundo o médico, como a córnea não tem vaso sanguíneo, é muito difícil ter algum problema de rejeição como outros órgãos. O pós-operatório de Kauany será lento e irá demorar cerca de três meses para que a menina volte a enxergar normalmente. Ela recebeu alta médica no mesmo dia e, agora, está recebendo acompanhamento semanal e passará por exames daqui alguns meses para ver se a visão voltará a ficar 100% boa.
Fonte:Portal G1

Nenhum comentário: